Depois de uma intensa mobilização da categoria em todo o País, o Projeto de Lei 2.564/2020, de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES), que estabelece o Piso Nacional da Enfermagem, foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na quinta (4). Apesar disso, os trabalhadores seguem organizados para derrubar o veto feito pelo chefe do Executivo, sobre o reajuste automático nos salários.

Agora, o Piso para enfermeiros é de R$ 4.750,00. Já os técnicos, receberão R$ 3.325,00, enquanto os auxiliares e parteiras terão garantidos R$ 2.375,00 por mês. A medida vale para os que atuam tanto no setor público, quanto no privado. Apesar disso, até as eleições, apenas as instituições privadas poderão pagar os novos salários.

O presidente do Conselho Regional de Enfermagem em São Paulo (Coren-SP), James Francisco dos Santos, explica: “Vai ser necessário passar o período eleitoral para que possa ser novamente retomada a questão e a regulamentação do Piso Salarial”.

Mobilização – Mesmo após a sanção do Piso da Enfermagem, a categoria seguirá mobilizada. Isso porque o presidente da República vetou Artigo referente ao reajuste automático, conforme o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

“Vamos manter a mobilização, pra derrubar o veto ao dispositivo que garante o reajuste pelo INPC no Congresso”, adianta a presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Betânia Santos.

MAIS – Sites do Coren-SP e Cofen.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui