Temos o direito de saber

0
280
José Pereira dos Santos é presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região
e secretário nacional de Formação da Força Sindical
E-mail: pereira@metalurgico.org.br

O governo federal foi autoritário e mudou a divulgação das mortes por Covid-19. Na prática, tenta maquiar a realidade, negando à população o direito de saber. Aliás, Bolsonaro disse: muda o horário pra não dar manchete ao Jornal Nacional, da Globo.

Nós, dirigentes sindicais, conhecemos essa manipulação quanto a acidentes e doenças no local de trabalho. Muitas empresas tentam maquiar a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho). Ou seja, tenta tampar o sol com a peneira. Porém, mais dias, menos dias o acidente é descoberto e a empresa pode ser acionada na Justiça.

A boa notícia é que a manobra do governo falhou. Folha, Estadão, O Globo, Extra, UOL e o G1 montaram um sistema unificado de informações, com base nas Secretarias de Saúde dos Estados. As empresas de comunicação deixam de lado a competição e garantem aos brasileiros o direito de saber a verdade. Parabéns à imprensa pela iniciativa.

Na ditadura, o governo censurou a imprensa para que não fosse noticiada uma epidemia de meningite. Naquele tempo até que funcionou. Hoje, não funciona mais. E os atuais protestos nos Estados Unidos provam isso. A morte do cidadão negro George Floyd por um policial foi filmada pelo celular de uma adolescente. As imagens correram o mundo, gerando imensa revolta.

O que funciona é dizer a verdade e a partir disso tomar as medidas de saúde e também orientar a população. O Brasil não é Japão, onde o senso coletivo é muito forte e as pessoas acatam as medidas de higiene e isolamento fixadas pelo governo. Aqui, precisamos ser insistentes nos apelos por higiene, uso de máscara e isolamento social.

Médicos como o dr. Drauzio Varella e o ex-ministro Mandetta alertam que o relaxamento vai piorar a pandemia e as mortes vão crescer. O Brasil, em pouco tempo, deve assumir a liderança macabra de contaminações e mortes. Com uma agravante: as principais vítimas serão os pobres, por desinformação, falta de saneamento e devido à falta de leitos e UTIs na rede pública.

E em Guarulhos? Temos que ser cautelosos. A pressão do poder econômico pela reabertura da economia é forte. Mas a sociedade precisa resistir. As aglomerações em pontos de ônibus, terminais, dentro de ônibus, em lojas e outros setores vão espalhar o vírus entre todos nós.

O prefeito Guti emitiu um Decreto que regula as atividades econômicas, com horários e outros procedimentos. Mas é pouco. O poder público precisa garantir que a rede municipal tem capacidade pra atender ainda mais e melhor. Será que tem? E os ônibus serão higienizados? Os terminais e pontos também serão? De quanto em quanto tempo?

Live – Nesta sexta, dia 12, haverá videoconferência entre o prefeito e sindicalistas, com representantes dos Metalúrgicos (Força Sindical), CUT (Condutores), Comerciários (UGT) e Vestuário (CSB). Será às 10 da manhã, transmissão pelo Facebook do nosso Sindicato. Queremos normas específicas de proteção para as categorias profissionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui