Servidores públicos de todo o País, liderados por suas entidades sindicais, realizam grande manifestação nesta semana em Brasília (DF). O ato começa nesta terça (14) e se estende até quinta (16). O objetivo da ação é alertar ao Congresso Nacional sobre os perigos da PEC 32 – reforma administrativa.

A ideia da ocupação durante três dias vem da expectativa de análise da Proposta pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados, que será feita entre os dias 14 e 16. Servidores ressaltam que, caso seja aprovada essa reforma, os prejuízos serão não apenas do funcionalismo, mas de toda a população.

Segundo Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef-CUT), a pressão tem sido efetiva e, a partir disso, alguns parlamentares já mudaram seu voto.

“O fruto dessa Comissão é que vai pautar o debate no Plenário da Câmara, por isso, é uma questão de honra conseguir uma avaliação contra a PEC. A pressão, portanto, é fundamental pra conseguirmos barrar”, afirma o sindicalista.

Para o coordenador do Movimento Basta! e presidente da Conacate, Antonio Carlos Fernandes Lima Júnior, os Servidores têm ganhado apoio de trabalhadores do setor privado nesta luta e a mobilização contra a reforma administrativa avança. “Estão mais conscientes da agressividade dessa PEC, que tem vícios terríveis e faria o Congresso Nacional cometer uma insanidade”, avalia.

Ocupação – A pressão do funcionalismo se inicia hoje logo pela manhã. Já no aeroporto da Capital, haverá pressão sobre os parlamentares que se encaminham ao Congresso para os trabalhos da semana. Além disso, será feita panfletagem à população alertando sobre os riscos da reforma administrativa.

Na parte da tarde, a partir das 14 horas, haverá concentração no Espaço do Servidor, na Esplanada dos Ministérios. De lá, os trabalhadores seguem em carreata até à Câmara. Na quarta e na quinta, o dia está reservado para que os Servidores visitem gabinetes de parlamentares para dialogar a fim de que não seja aprovada a PEC 32.

Força – Presidente da Força Sindical, Miguel Torres está em Brasília para somar ao movimento. O dirigente afirma: “É uma luta muito importante. Vamos tentar impedir a votação da reforma administrativa, que vai precarizar o serviço público no País. E quem vai sofrer é a imensa maioria da população, que, sem esse serviço, vai sofrer e muito. Somos contra”, conclui Miguel.

MAIS – Páginas da Condsef, Movimento Basta!, Conacate e Força Sindical.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui