Em 1981, a editora Nova Fronteira publicou de Mário Morel “LULA – O METALÚRGICO – “Anatomia de uma Liderança”. Por 30 dias, o jornalista conviveu com Lula, em sua casa, em viagens, comícios e atos. Também ouviu companheiros e jornalistas, entre os quais Jacó Bittar, Frei Chico, Nélsão Campanholo, Antônio Carlos Félix Nunes e outros personagens.

Lula, ainda muito jovem, já era calejado, havia dirigido greves de impressionante adesão. Em 1980, sentiu a mão pesada do regime militar. Em 14 de abril, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP) decretou a ilegalidade da greve, acusando o Sindicato do ABC de “insuflar a desordem e incitar a população contra o governo”. A paralisação prosseguiu. No dia 18 foi decretada intervenção no Sindicato e destituição da diretoria. No dia seguinte, sem ordem judicial, o sindicalista foi preso.

O ponto alto do livro de Morel são as entrevistas, nas quais Lula mostra suas posições sindicais, políticas e religiosas. Na página, 148, Morel relata: “Eu vi Lula fazer o sinal da cruz ante uma procissão. Em 1973, fez Cursilho. Em 1978, disse que a Igreja queria se redimir ante da classe trabalhadora. Admira D. Hélder, Casaldáliga. D. Mauro…” Mesmo católico, ele criticava: “A Igreja foi, através dos tempos, aliada do poder, quando não o próprio poder”.

CLT – Lula e o Sindicato foram punidos com base no Artigo 528, da velha CLT: “Ocorrendo dissídio ou circunstâncias que perturbem o funcionamento de entidade sindical ou motivos relevantes de segurança nacional, o Ministro do Trabalho poderá nela intervir, por intermédio de Delegado ou de Junta Interventora”. Irritado, Lula dizia: “A CLT é pior que o finado AI-5”.

Mas Mário Morel não ouviu só Lula. Falou também com Alzira de Melo Rodrigues, a primeira repórter a publicar entrevista com o então jovem dirigente, e Antônio Carlos Félix Nunes, que, se pode dizer, foi o primeiro jornalista comprometido com o tema.

Partido – Lula também fala do Partido dos Trabalhadores, longe do linguajar comunista ou trabalhista. Essa postura gerou no Estadão um texto famoso do Diretor, o dr. Ruy Mesquita: “Pela primeira vez na história do sindicalismo surge um líder em estado de pureza”.

Múltis – Outra passagem do livro dá conta de Lula propor a empresários brasileiros aliança pra enfrentar o poder das multinacionais – Cláudio Bardella, Mário Garnero e outros. E da sua decepção em perceber que entre o empresariado havia muito discurso e pouca vontade.

MAIS – Instituto Lula – https://institutolula.org/

O LIVRO – Pela internet, preços entre R$ 9,00 e R$ 75,00.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui