De acordo com pesquisa da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço da gasolina comum já ultrapassou os R$ 7,00 por litro no Rio Grande do Sul. No Acre, o combustível chegou a R$ 6,99.

Segundo a ANP, a alta no período de 8 a 14 de agosto foi de 0,22%. No mês, a alta acumulada é de 0,60%. Ainda de acordo com a Agência, o preço médio da gasolina é de R$ 5,866 no País.

Especialistas afirmam que o preço do dólar tem grande influência nesse aumento nos combustíveis, mas também que, quando o câmbio sofre desvalorização (quando o Real fica mais barato), os derivados de petróleo sobem, pois o preço do barril aumenta.

Na composição do preço da gasolina, a Petrobras fica só com 32,9%. Graças ao projeto neoliberal de privatizações do governo Bolsonaro e Guedes, a companhia, que detinha 98% do mercado de refino até 2019, se comprometeu com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a vender metade das refinarias.

Economistas alertam ainda que novos aumentos podem acontecer, já que a diferença entre o valor que a Petrobras paga pelo barril do petróleo e o que cobra no País é de 13%.

Em entrevista ao portal G1, Frederike Monika Mette, economista da PUC-RS, afirma que o aumento constante no valor dos combustíveis afeta também o poder de compra. Para ela, o aumento da inflação, o salário real diminuindo e a perspectiva de aumento na taxa de juros incidirão sobre os mais pobres. “Aquelas pessoas endividadas, que vão precisar de recursos, tudo vai ficando mais caro”, explica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui