18.5 C
São Paulo
sábado, 25/06/2022

Centrais mobilizam propostas para o desenvolvimento

Desde 2003 as Centrais Sindicais investem na construção da unidade de ação, realizando uma longa jornada de mobilização e protagonismo propositivo unitário do movimento sindical. Destacam-se as oito Marchas da Classe Trabalhadora, atividades que reuniram milhares de dirigentes, lideranças e ativistas sindicais em Brasília para apresentar as pautas sindicais que foram entregues ao presidente da República, aos seus ministros e ao Congresso Nacional, desdobradas em negociações e tratativas (ver quadro sintético abaixo).

Longos processos de debate e de diálogo social foram realizados com o governo e com o Congresso Nacional. Temas como previdência social, redução da jornada de trabalho, terceirização, reforma trabalhista, reforma sindical, direito de negociação dos servidores públicos, entre tantos outros, foram tratados e muitos se materializaram em políticas públicas, mudanças legislativas, entre outras iniciativas.

Um dos mais importantes acordos celebrados entre as Centrais Sindicais e o Governo Lula foi a política de valorização do salário mínimo, resultado de um longo processo de negociação materializado em acordos que se desdobraram em medidas do Poder Executivo, inclusive na proposição legislativa aprovada na forma da Lei 12.328/2011 que esteve em vigor até 2018. O governo Bolsonaro extinguiu a política de valorização do SM (salário mínimo).

Desde 2002, a política de valorização garantiu um aumento real de mais de 78%. Atualmente o valor do SM é de R$ 1.212,00, dos quais R$ 533,80 correspondem ao aumento real, o que incrementa anualmente mais de 390 bilhões a massa de rendimentos da economia (sem o aumento real de 78,7% o valor do SM seria de R$ 678,00).

As Marchas e as outras mobilizações e atuações institucionais unitárias nos espaços de negociação passaram a exigir um novo estágio organizativo e propositivo. A continuidade e o aprimoramento das Marchas fizeram convergir processos unitários de mobilização e de pressão sindical.

De outro lado, colocou-se o desafio de formulação de uma pauta unitária, assim como a construção de estratégias de atuação convergentes. O avanço das negociações de muitos pontos da pauta também exigiu detalhar propostas para as tratativas e para as pactuações celebradas, como no exemplo do salário mínimo acima citado.O primeiro movimento de construção de uma pauta/agenda mais ampla foi realizado em 2007. A partir da sistematização feita pelo DIEESE de todos os documentos dos Congressos das Centrais Sindicais, construiu-se a “Agenda dos Trabalhadores pelo Desenvolvimento”, contendo cerca de 150 propostas para o desenvolvimento econômico, social, trabalhista e sindical, lançada em abril daquele ano, em evento realizado em São Paulo.

Em 2010, a “Agenda da Classe Trabalhadora para um projeto de desenvolvimento, com soberania, democracia e valorização do trabalho”, foi lançada em um grande evento realizado no Estádio do Pacaembu, que mobilizou mais de 30 mil dirigentes e trabalhadores de todo o país. Essa nova pauta foi atualizada com os novos conteúdos deliberados pelos congressos nacionais das Centrais Sindicais, ocorridos entre 2007 e 2010. A Agenda da Classe Trabalhadoras orientou as ações e foi entregue aos candidatos à Presidência da República e aos Governos Estaduais.

O contexto das múltiplas e severas adversidades que impactaram a vida dos trabalhadores nos últimos anos – a recessão e estagnação econômicas, a crise sanitária, as mudanças legislativas regressivas que autorizaram a terceirização sem limite, o extenso ataque aos direitos trabalhistas e sindicais – o caráter das lutas e iniciativas tiveram caráter predominantemente defensivos.

Agora, em 2022, as Centrais Sindicais consideram decisivo incidirem nos debates do processo eleitoral para disputar uma reorientação profunda do desenvolvimento nacional. Diante disso, deliberaram novamente realizar um processo de debate e formulação da Pauta da Classe Trabalhadora orientada pelos eixos estratégicos do emprego, direitos, democracia e vida. A Conferência da Classe Trabalhadora – CONCLAT, a ser realizada no dia 07 de abril, será um evento de apresentação à sociedade das propostas reunidas nessa Pauta, que está sendo elaborada a partir dos documentos dos Congressos das Centrais Sindicais, sistematizados em um documento base que está em debate nas Centrais e que será consolidado a partir das propostas oriundas desses debates.

A Conclat também abrirá uma nova etapa dos trabalhos, realizando Encontros Regionais, para complementar a Pauta Nacional com propostas locais, e organizar a mobilização nas bases para difundir à classe trabalhadora a sua Pauta e entregá-la aos/às candidatos/as.

Mais uma vez, o investimento na unidade de ação busca incidir no processo eleitoral de forma propositiva, aportando uma agenda para o desenvolvimento nacional no contexto das profundas mudanças no mundo do trabalho e dos desafios ambientais. Indica a centralidade das questões laborais como estruturante de estratégias que articulem e sustentem o crescimento econômico a partir de um sistema produtivo promotor de sustentabilidade socioambiental, com a geração de empregos de qualidade e o incremento da renda do trabalho. Também destacando a necessidade de mudanças profundas no sistema de relações de trabalho, na valorização dos sindicatos e da negociação coletiva, a promoção efetiva de proteção social, trabalhista e previdenciária para todos os trabalhadores e todas as trabalhadoras.

Marchas e Movimentos Sociais de 2004 a 2015

1ª Marcha – 13 a 15 de dezembro de 2004
CUT, Força Sindical, CGT, CGTB, SDS e CAT
Durante três dias, mais de 3 mil trabalhadores marcharam em Brasília.
Bandeiras: recuperação do salário mínimo e correção da tabela do imposto de renda.

2ª Marcha – 28 a 30 de novembro de 2005
CUT, Força Sindical, CGT, CGTB, SDS e CAT
Marcha e vigília com 15 mil trabalhadores.
Bandeiras: política de valorização do salário mínimo e correção da tabela do imposto de renda.

3ª Marcha – 6 de dezembro de 2006
CUT, Força Sindical, CGTB, CGT, SDS, CAT e NCST
Marcha de 20 mil trabalhadores pela Esplanada dos Ministérios. Bandeiras: reajuste e política de valorização do salário mínimo.

4ª Marcha – 5 de dezembro de 2007
CUT, Força Sindical, CGTB, UGT, CTB e NCST
Cerca de 40 mil trabalhadores marcharam pela Esplanada dos Ministérios.
Bandeiras: redução da jornada de trabalho, mais e melhores empregos, fortalecimento da seguridade social, políticas públicas de emprego, trabalho e renda, salário mínimo.

5ª Marcha – 3 de dezembro de 2008
CUT, Força Sindical, CGTB, UGT, CTB e NCST
Cerca de 35 mil trabalhadores marcharam pela Esplanada dos Ministérios.
Bandeiras: Desenvolvimento com valorização do trabalho.

Ato Unificado – 30 de março de 2009
CUT, Força Sindical, CGTB, UGT, CTB e NCST
Manifestação nacional contra a crise e as demissões.
Bandeiras: não às demissões; pela ratificação da Convenção 158 da OIT; redução dos juros; redução da jornada sem redução de salários e direitos; Reforma Agrária já! Por saúde, educação e moradia! Em defesa dos serviços e servidores públicos!

Jornada Nacional – 14 de agosto de 2009
CUT, Força Sindical, CGTB, UGT, CTB e NCST
Manifestações nas capitais e outras cidades.
Bandeiras: redução da jornada de trabalho sem redução de salários; fim das demissões; reforma agrária e urbana; defesa de direitos sociais; ratificação das Convenções 151 e 158 da OIT; redução dos juros; defesa das empresas estatais, fundamentais para financiar o crescimento do país; por uma nova lei do petróleo, que garanta as imensas riquezas do Pré-sal para impulsionar o desenvolvimento e a justiça social.

6ª Marcha – 11 de dezembro de 2009
CUT, Força Sindical, CGTB, UGT, CTB e NCST
Cerca de 50 mil trabalhadores marcharam pela Esplanada dos Ministérios.
Bandeiras: redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário; ratificação das Convenções 151 e 158 da OIT; atualização dos índices de produtividade da terra; aprovação da PEC que destina para reforma agrária toda terra onde for flagrado trabalho escravo; aprovação da lei que sacramenta a política de valorização do salário mínimo. Marco regulatório para o petróleo e gás do Pré-sal, destinando a maior parte dos seus recursos ao combate às desigualdades sociais. Aprovação do projeto sobre a regulamentação da terceirização; combate à precarização nas relações de trabalho.

Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora – 01 de junho de 2010
CGTB, CTB, CUT, Força, Nova Central
Cerca de 20 mil pessoas participaram.
Bandeiras: avançar no desenvolvimento com soberania; ampliar direitos e conquista. Aprovação de seis eixos temáticos: crescimento com distribuição de renda e fortalecimento do mercado interno; valorização do trabalho decente com igualdade e inclusão social; Estado como promotor do desenvolvimento socioeconômico e ambiental; democracia com efetiva participação popular; soberania e integração internacional; direitos sindicais e negociação coletiva.

7ª Marcha – 6 de abril de 2013
CUT, Força Sindical, CTB, UGT, NCST e CGTB
As centrais sindicais e representantes de diversos movimentos sociais defenderam as 40 horas semanais sem redução de salário; fim do fator previdenciário; igualdade de oportunidade entre homens e mulheres; política de valorização dos aposentados; 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação; 10% do orçamento da União para a saúde; reforma agrária; correção da tabela do Imposto de Renda; ratificação da Convenção 158/OIT (fim da demissão imotivada); regulamentação da Convenção da 151/OIT (negociação coletiva no serviço público); ampliação do investimento público.

8ª Marcha – 09 de abril de 2015
CGTB, CTB, CUT, Força, Nova Central e UGT
Cerca de 40 mil trabalhadores participaram em São Paulo, por mais direitos e qualidade de vida.
Bandeiras: Igualdade de oportunidades para homens e mulheres, continuidade da valorização do salário mínimo, fim do fator previdenciário, reforma agrária e agrícola, 10% do orçamento da União para a saúde, fim dos leilões do petróleo, redução dos juros e do superávit primário, 10% do PIB para a educação, combate à demissão imotivada, valorização das aposentadorias, combate ao PL 4.330 da terceirização, transporte público de qualidade, correção da tabela do Imposto de Renda, negociação coletiva no setor público e redução da jornada de trabalho sem redução salarial.

Clique aqui e leia mais artigos de Clemente Ganz Lúcio.

Notícias

Matérias Relacionadas

Fale com a Agência Sindical