15.4 C
São Paulo
sexta-feira, 17/09/2021

Sindicalismo luta por 4,7 mil empregos em Guarulhos

O movimento sindical de Guarulhos (SP) luta pra salvar 4,7 mil empregos na Proguaru. As entidades resistem à investida do prefeito Guti, que, no final do ano passado, na calada, passou na Câmara projeto que extingue a empresa fundada em 1979.

A alegação é que a empresa de economia mista tem problemas de caixa. O sindicalismo contesta. E o Sindicato da categoria (Stap), após liderar greves e demandar na Justiça, passa lista pra colher assinaturas que garantam o referendo. Ou seja, a lei aprovada pela Câmara teria que passar por sufrágio popular.

Todos os Sindicatos filiados à Força Sindical Regional Guarulhos subscrevem a Nota “AINDA DÁ TEMPO DE SALVAR A PROGUARU E MILHARES DE EMPREGOS” – endereçada ao prefeito Guti, presidente da Câmara, Fausto Martello, e à população.

José Barros da Silva Neto, coordenador da Força Regional, afirma: “Não há razão contábil que justifique colocar no olho da rua tantos trabalhadores, gente que ganha R$ 1,4 mil por mês, pessoas simples e pobres”.

A entidade, na Nota, pede audiência ao prefeito e ao presidente da Câmara. E conclui: “Lembramos às autoridades que o povo saberá ser grato a quem ajudar a manter a empresa, seus serviços e os empregos”.

Centrais – CUT, Força Sindical, UGT e CSB são contra fechar a empresa.

Leia a Nota abaixo

📌NOTA DA FORÇA SINDICAL REGIONAL GUARULHOS📌

Prefeito Guti, senhores vereadores:

📣 AINDA DÁ TEMPO DE SALVAR A PROGUARU E MILHARES DE EMPREGOS!

A Força Sindical Regional Guarulhos vem clamar à consciência cívica e humanitária das autoridades para que não cometam a injustiça de fechar a Proguaru e demitir 4,7 mil trabalhadores.

Razões não faltam a favor da empresa e seus trabalhadores, a maioria humilde, que recebem cerca de R$ 1,4 mil mensais.

I) Desde sua fundação, em 1979, a Proguaru presta ininterruptos e excelentes serviços. A empresa, por meio de seus trabalhadores, mantém a cidade limpa e conservada, sejam unidades de saúde, escolas, logradouros, calçadas ou bueiros. Tal trabalho tem efetiva contribuição à qualidade de vida dos cidadãos, sobretudo em meio à dramática pandemia da Covid-19.

II) A empresa paga salários modestos à imensa maioria. Como salário tem natureza alimentar, tais demissões agravarão as condições de vida de mais de 18 mil pessoas, considerando-se as famílias.

III) A ideia de fechar a Proguaru não foi debatida na campanha eleitoral de 2020. Estranha-se ainda a ausência de audiências públicas ou de tratativas com o Sindicato representativo (o Stap), até porque vigora a Lei 352/09 – Comissão Permanente de Negociação, na Administração Direta ou Indireta, para questões trabalhistas.

IV) A extinção da empresa atingirá duramente a economia local, pois também afetará o comércio e a rede de fornecedores da própria Proguaru.

PDV – Não somos contra PDV. Aliás, temos experiência nesse tipo de negociação. O que não pode é haver pressão, imposição, assédio e constrangimento aos trabalhadores. A Proguaru precisa continuar, ainda que reestruturada.

Lembramos às ilustres autoridades que o povo saberá ser grato a quem ajudar a manter a empresa, seus serviços e os empregos.

Audiências – Assim sendo, vimos solicitar audiência ao prefeito municipal, sr. Gustavo Henric Costa, e ao presidente da Câmara, sr. Fausto Miguel Martello.

Guarulhos, 26 de julho de 2021.

José de Barros da Silva Neto, Força Sindical Regional Guarulhos – Pela Comissão Sindical.

Notícias

Matérias Relacionadas

Iniciar conversa
Fale com a Agência Sindical