Sindicato dos Metalúrgicos de SP chega aos 86 anos de luta pela categoria

• 11/1/2019 - sexta-feira

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes inicia dia 17 (quinta) uma série de atividades relativas à comemoração dos 86 anos de fundação. A primeira delas será a abertura da exposição fotográfica “86 Anos de Lutas e Conquistas”, que ocorre na sede às 10 horas. O local é rua Galvão Bueno, 782, Liberdade, Capital. Telefones 3388.1062 e 3388.1003.

Nascido da soma de três associações de metalúrgicos, no início do século passado, o Sindicato foi fundado em 27 de dezembro de 1932. A data que vai abrir as solenidades, 17 de janeiro, é oficialmente o Dia do Delegado Sindical, em homenagem à memória do operário Manoel Fiel Filho, assassinado pela ditadura em janeiro de 1976 após sequestro e torturas.

Miguel - Na quinta (10), a Agência Sindical recebeu a visita de Miguel Eduardo Torres, que preside o Sindicato e também a Força Sindical. O dirigente afirma: “Todas as grandes lutas sindicais dos últimos 100 anos tiveram forte presença metalúrgica. A criação e o fortalecimento do Sindicato também ampliaram nossa atuação institucional, sempre na vanguarda das lutas democráticas e cidadãs”.

O dirigente ressalta o papel do Sindicato na conquista da redução da jornada de trabalho. “Antes da Constituinte, que veio reduzir a jornada de 48 para 44 horas semanais, já havíamos conquistado esse avanço para nossa categoria”, ele conta. Segundo Miguel Torres, a entidade foi também uma das primeiras no sindicalismo a pleitear a volta das eleições diretas para presidente, durante a luta pela redemocratização.


Miguel Torres e João Franzin durante a gravação do Vídeo da Semana

Dimensão - Favorecido pelas ondas de industrialização, o Sindicato dos Metalúrgicos da Capital chegou a ter 400 mil trabalhadores em mais de 20 mil empresas. Miguel afirma: “O primeiro crescimento veio com a própria Revolução de 30, comandada por Getúlio Vargas, que buscava modernizar e industrializar o País. A segunda onda aconteceu com a política desenvolvimentista de Juscelino”.

Desafios - Ao completar 86 anos, Miguel Torres considera que um dos grandes desafios da entidade é a questão da desindustrialização. “De três anos pra cá, perdemos na base cerca de duas mil empresas”, aponta. Para o dirigente, iniciativas isoladas governamentais a favor da indústria, “na prática, não chegam aos trabalhadores, com mais e melhores empregos”.

Resistência - Nos últimos anos, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes foi linha de frente na resistência aos ataques a direitos e conquistas trabalhistas. “Tenho dito que a luta faz a lei, com todas as dificuldades reais. Essa luta precisa ganhar ainda mais corpo, ante o avanço eleitoral da direita”, ele comenta.

Miguel considera que Bolsonaro tende a radicalizar as reformas neoliberais pró-capital. E arremata: “Vivíamos no País em que os políticos prometiam, mas não cumpriam. O atual presidente promete e cumpre. O problema é que aquilo que ele cumpre prejudica a classe trabalhadora”.

Série - A Agência Sindical vai cobrir as atividades relativas ao aniversário e publicará outras matérias acerca dos 86 anos do Sindicato em nosso site, boletim eletrônico e redes sociais.

Mais informações: www.metalurgicos.org.br

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home