19/10/2018 - A renovação conservadora na Câmara - Artur Bueno Júnior

• 22/10/2018 - segunda-feira

Artur Bueno de Camargo Júnior é presidente da USTL (União Sindical dos 
Trabalhadores de Limeira), presidente do Stial (Sindicato dos Trabalhadores 
nas Indústrias da Alimentação de Limeira e Região)
e presidente interino da Confederação da categoria (CNTA).
E-mail: stial@stial.com.br

As eleições de 2018 registraram uma alta taxa de renovação das cadeiras no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas. Mas o fenômeno, resultado do esgotamento com a classe política atual, esteve longe de atender aos anseios dos trabalhadores.

A Câmara Federal teve renovação de 47,3%, o maior índice desde 1994. No Senado, o processo foi ainda mais intenso, com renovação de 85%, a maior da história. A representação dos trabalhadores, no entanto, sofreu duro golpe – a bancada dos trabalhadores garantiu apenas 33 deputados nesta legislatura, contra 51 políticos eleitos na anterior. Menos parlamentares na linha de frente, em defesa da categoria.

Já a bancada da bala, um nicho conservador formado por deputados ligados às forças de segurança, elegeu 32 deputados e quatro senadores, crescimento de 71% em relação ao mandato anterior. De modo geral, a Câmara viu o PSL, partido de retórica contrária ao movimento sindical e à defesa dos direitos trabalhistas, eleger 52 deputados. Tornou-se a segunda maior bancada da Casa, e deve influenciar muito as decisões do Congresso.

Ainda não se auferiu a estatura da bancada ruralista de 2018, e nem a bancada patronal, mas a bancada evangélica, outra que a exemplo dos partidos conservadores costuma frear pautas de interesse do trabalhador, cresceu de 150 para 180 deputados na Câmara Federal. No Senado, subiu de três integrantes para oito.

Para o movimento sindical, e sua luta diária pela manutenção e avanço dos direitos trabalhistas, a visão geral do quadro é preocupante. Devemos continuar nossa luta. Nossa guerra será ainda mais acirrada pela sensibilidade da categoria, diante da necessária mobilização.

Segundo turno - E há ainda outra batalha a lutar. No segundo turno das eleições presidenciais, estamos diante de uma proposta negadora de direitos, que já propôs até mesmo a criação de uma carteira de trabalho diferenciada, para o trabalhador que se sujeitar a perder a proteção da CLT. O fim do 13º salário, atrocidade proferida durante a campanha, teve negativa tímida e que não acalentou a alma daqueles que sofrem pelos trabalhadores.

Um último esforço de engajamento político será preciso, em 28 de outubro. Os sinais estão claros, diante de um lado que defende a cruel reforma trabalhista de Temer, e outro que se propõe a revogá-la. Um lado que manifesta total desprezo pelos Sindicatos, e sugere que os direitos são empecilho ao emprego. Este lado precisa perceber nas urnas, que seu discurso antitrabalhador não merece sair vitorioso. À luta, companheiros.
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home