14/6/2018 - O Salário é o Tempero - Oswaldo Augusto de Barros

• 14/6/2018 - quinta-feira

Oswaldo Augusto de Barros é professor
e presidente da CNTEEC
(Confederação Nacional
dos Trabalhadores
em Estabelecimentos
de Educação e Cultura).
E-mail:
barros2002@terra.com.br

A palavra Salário deriva do latim salarium, que no Império Romano era utilizado para pagamento pelo trabalho realizado. O sal, por ser uma iguaria culinária, valia seu peso em ouro e era uma das únicas maneiras de se conservar a carne, além de dar vida aos alimentos preparados.

Hoje, em função da facilidade da extração do sal marinho, seu valor passou a ser insignificante no cálculo da cesta básica de alimentos.

Para que o mesmo não ocorresse com seus Salários, os trabalhadores, no Brasil, agruparam-se em categorias através de seus Sindicatos, para manter o poder de compra de seus vencimentos.

O poder de negociação está na representatividade do seu Sindicato. Sua participação é fundamental, para garantir o seu poder de compra.

Temos que destacar as cláusulas sociais existentes nessa Convenção. Elas lhe garantem benefícios diversos, como: cesta básica, assistência médica, vale-alimentação, bolsa de estudos, regramento do banco de horas, assistência na homologação, entre outros.

Toda essa campanha contra o custeio do seu Sindicato só interessa ao patronato, que quer o enfraquecimento da sua entidade sindical, pois sabe o poder que ela tem quando é forte e tem representatividade.

Pense bem: é o seu Sindicato o Tempero do seu Salário.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home