23/2/2018 - Previdência social: a vitória conduz a um jogo mais complexo

• 23/2/2017 - sexta-feira


Clemente Ganz Lúcio é sociólogo
e diretor-técnico do Dieese.
E-mail:
clemente@dieese.org.br

O jogo social é composto por fenômenos, interesses e movimentos que formam situações contraditórias e conflituosas e o resultado é sempre inédito, imprevisível e sem fim: o jogo social é história e luta.

A importante vitória do movimento sindical ao barrar a votação da reforma da Previdência deve ser compreendida como um feito histórico de grande envergadura. Isso porque se deve considerar o contexto adverso das inúmeras lutas realizadas (reforma trabalhista, teto do orçamento público, desestatização, pré-sal, desemprego, entre outros), a gravidade da crise econômica e política, as divergências existentes no interior da organização sindical e o ataque que sofrem os trabalhadores e suas entidades.

O resultado foi conquistado com movimentos históricos como a greve de abril, a Marcha dos 150 mil à Brasília, com as mobilizações nos aeroportos, no Congresso, nas cidades e no campo. A organização sindical se fez movimento. O resultado é também fruto da capacidade de intervir no debate público com conhecimento crítico e propositivo, além das estratégias bem sucedidas de comunicação. A vitória faz parte da contínua caminhada de quem luta e deve significar capacidade para reunir forças para continuar o jogo social, inclusive na questão da previdência social.

O ano de 2018 marcará a história da nação e será decisivo para orientar o nosso futuro. As eleições têm a tarefa de costurar o tecido social e político rompido em 2015 e, colocarão as inúmeras e profundas reformas em debate deliberativo pelo voto. Será um ano politicamente quente, no qual forças poderosas tentarão interditar o necessário debate propositivo sobre as grandes questões que darão rumo ao nosso futuro.

Devemos comemorar a vitória da luta e da unidade na diferença. Mas, desde já, reconhecer o papel decisivo que o movimento sindical terá, neste ano, para promover o debate político com as questões que interessam aos trabalhadores. Nossa intervenção deve ser crítica e propositiva, com projetos e soluções, indicando a agenda e o conteúdo das reformas, a partir da perspectiva do trabalho e dos trabalhadores.

As mudanças que estão em processo na economia capitalista são profundas, as transformações demográficas criarão uma outra sociedade; a tecnologia, a comunicação e a inteligência artificial alteram radicalmente aquilo que conhecemos como emprego e sociabilidade. Disso decorre uma agenda complexa e desconhecida para ser enfrentada pelos trabalhadores.

A reforma da Previdência voltará na agenda de 2019 e por isso deve estar no debate eleitoral. Por quê? Porque há mudanças demográficas profundas; porque o sistema de financiamento da Previdência Social precisa ser reorganizado como parte de uma reforma tributária mais ampla; porque é preciso celeridade para cobrar os devedores etc. Entretanto, a questão central é que os efeitos da reforma trabalhista sobre o mercado de trabalho inviabilizarão o sistema de repartição da Previdência Social financiada sobre a folha de pagamento. Mais ainda, a reforma trabalhista é a expressão institucional das profundas mudanças na base da organização econômica da produção, da distribuição, do emprego e dos salários.

Insisto: a fundamental vitória do momento deve-nos levar a compreender a complexidade da situação e da agenda que temos pela frente. Promover e participar do debate propositivo; construir capacidade institucional para abrir e sustentar o diálogo social; e, práticas políticas que recepcionam e conduzem as forças sociais e econômicas para acordos sociais, no espaço das contradições e dos conflitos. Só assim, a nação retoma sua capacidade soberana de ser protagonista do seu destino.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home