22/2/2016 Saravá, Sergião!

22/2/2016 - segunda-feira

João Franzin é jornalista
e diretor da Editora e Agência de Comunicação Sindical
E-mail:
franzin@agenciasindical.com.br Facebook:
facebook.com/joao.franzin.1

João Franzin

Eu já havia dirigido jornais diários, atuado em assessoria de imprensa e mais uma porrada de coisas, quando comecei a trabalhar com o pessoal da Oboré - Sérgio Gomes, João Guilherme Vargas Neto, Marise Egger, Laerte etc. Lá mesmo não trabalhei. Isso foi em 1985. A Oboré, uma espécie de empresa coletiva e comunista, será sempre o que de melhor a imprensa sindical produziu.

A figura de proa era o Sérgio Gomes, Sergião. Como assessoravam os Sindicatos dos Borracheiros e dos Têxteis de Americana, passei a conviver quase diariamente com o Sérgio - e menos com João Guilherme, que era mais do meio de campo (Pelé e Gérson). Fizemos juntos boletins, jornais, livretos, seminários e greves. Sérgio estava no auge da forma física e intelectual e sua companhia era um curso intensivo, de jornalismo e de tudo.

Sempre tive texto enxuto, mas com Sergião aprendi a cortar ainda mais. Ele também ensinou a valorizar a fotografia - “a foto do fato e o fato da foto”, dizia. Sua impressionante capacidade de trabalho (só não maior que a de nos passar trabalho - ele ri quando digo isso) me mostrou como resolver problemas na hora - hoje se diz tempo real. Eu vi em assembleia, onde a oposição mordia corrente, Sérgio virar o jogo com seu discurso e suas sacadas criativas.

Até hoje, quando avalio algo que tenho a fazer, recorro a seu ensinamento: “Tem de fincar o bambu pelo lado grosso”. Ora bolas, se for pelo lado fino, o bambu não para em pé. Outro ensinamento do Sergião é: “Faça coisas que caibam no bolso ou na bolsa”, ou seja, material gráfico (folder, livreto etc.) que o trabalhador, no caso, possa enfiar no bolso ou na bolsa, se for a trabalhadora.

Na época em que tentávamos organizar Cipas, ele dizia: “Não basta ser cipeiro, tem de ser cipista”. Vale dizer, membro da Cipa e ativista; da Cipa e sindicalista. Também é do Sergião o ensinamento de que o Sindicato precisa crescer pra baixo - “que nem rabo de cavalo”.

Por ter pouca formação política e ser muito voluntarista, acabo me angustiando ante problemas profissionais. Certa vez, Sérgio Gomes ensinou “a equação de Paretto”. Disse que, na cidade onde estávamos atuando, não havia necessidade de influir em todos os Sindicatos - “de 10, tem sempre dois que são estruturantes, que organizam ou desorganizam o resto”. Bastava, portanto, identificar esses dois, e acho que consegui.

Outra expressão do Sergião, que uso até hoje, sem pagar direito autoral, é “ilusão gráfica”. Estávamos em véspera de greve geral e jornais de Sindicatos davam grandes manchetes chamando a paralisação. Mas cadê as fotos de assembleias? Cadê a massa pra encher a objetiva do fotógrafo? Vai dar em nada, vaticinou: “Isso aqui é pura ilusão gráfica”. E era.

Certa vez, briguei com o Sérgio e não falei mais com ele. Uma noite, entrei no Gigetto e lá estava jantando com a Ana. Me chamou todo entusiasmado pra ficar com eles, e eu respondi: - Vou nada, você falou que ia me dar uma porrada. Ele ficou pasmo, não se lembrava (de verdade) do atrito e o fato é que acabamos matando um vinho pra celebrar a velha amizade.

Uma ação recente de Sérgio Gomes foi organizar na casa de um amigo recepção aos médicos cubanos que chegavam ao Brasil pra trabalhar. Saudação pelo Audálio Dantas, samba e  muita cerveja. Recentemente, dei um pulo na Câmara Municipal onde Sergião recebia o título de Cidadão Paulistano; também fizemos um programa de TV - “Sindicalismo e Memória”. Pra finalizar: na época da Constituinte, realizamos um encontro da imprensa sindical, na CNTI. Andamos muito por Brasília, onde testemunhei que Sergião era mais conhecido que Ulisses Guimarães!

25 anos - Este artigo abre a série de textos sobre os 25 anos da Agência Sindical, em julho. Não poderia começar sem falar do Sergião, pensando que, talvez, uma ou outra expressão citada possa ser da lavra do João Guilherme. Aliás, a Oboré foi o que foi porque eles eram o yin e o yang, os lados que se complementam e formam o todo dinâmico.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home