14/7/2015 - A tragédia dos juros

*Por Ricardo Patah

Ricardo Patah é presidente da UGT e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo
E-mail:
rpatah@uol.com.br
Facebook:
facebook.com/RicardoPatah1

Os números já são assustadores. Os juros dos cartões de crédito e do cheque especial nunca estiveram tão altos como agora.

E o ajuste fiscal, que traz como pano de fundo um conjunto de incertezas econômicas e políticas, pode fazer com que esses números virem uma tragédia para os consumidores brasileiros, que já estão altamente endividados, muitos já desempregados ou ameaçados pelo desemprego, além de sofrerem com a perda do seu poder de compra devido à ressurreição do dragão inflacionário.

É bom não esquecermos que juros altos significam transferência de renda do pobre para o rico, do trabalhador para banqueiro, provocando ainda mais desigualdade econômica em nosso país.

A tragédia dos juros, tanto dos cartões de crédito quanto do cheque especial, pode ser vista no levantamento que fizemos e está disponível em nosso site.

Os efeitos dos juros altos são claros. O percentual de famílias brasileiras endividadas alcançou 62% em junho, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O cartão de crédito foi apontado como principal motivo do endividamento por 77,2% dos núcleos familiares.

 Também pudera, com essas taxas de juros, ninguém aguenta.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home