Impacto social do coronavírus é maior sobre as mulheres, alerta ONU

• 26/3/2020 - quinta-feira

O impacto social do novo coronavírus está atingindo fortemente as mulheres. Elas representam 70% das pessoas que trabalham no setor social e de saúde e são três vezes mais responsáveis pelos cuidados não-remunerados em casa do que os homens. As informações são da ONU Mulheres, que recomenda uma série de medidas nas ações contra a pandemia, que visam apoio prioritário a elas.

“A maioria das profissionais de saúde são mulheres e isso as coloca em maior risco. Muitas delas também são mães e cuidadoras de familiares. Elas continuam carregando a carga de cuidados, que já é desproporcionalmente alta em tempos normais. Isso coloca as mulheres sob considerável estresse”, avalia a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka.

“Além disso, a maioria das mulheres trabalha na economia informal, onde o seguro de saúde provavelmente não existe ou é inadequado e a renda não é segura. Como elas não estão direcionadas para ajuda financeira, elas acabam não possuindo suporte”, ressalta. “Este não é simplesmente um problema de saúde para muitas mulheres; isso vai ao cerne da igualdade de gênero.”

Recursos Também há mais mulheres em empregos mal remunerados, inseguros e informais. As restrições de movimento podem comprometer a capacidade das mulheres de ganhar a vida e atender às necessidades básicas de suas famílias.

Além disso, o fechamento de escolas e creches para conter a disseminação do vírus afeta diretamente a capacidade das mulheres de se envolverem em trabalho remunerado. A ONU Mulheres lembra que, globalmente, as mulheres continuam sendo remuneradas 16% menos que os homens, em média, e a disparidade salarial sobe para 35% em alguns países. “Em tempos de crise como esse, as mulheres geralmente enfrentam a opção injusta de desistir do trabalho remunerado para cuidar de crianças em casa.”

Epidemias recentes como o Ebola e a Zika, ressalta a organização, demonstram que os surtos desviam recursos dos serviços de que as mulheres precisam, como o acesso a cuidados de saúde pré e pós-natal e contraceptivos quando os serviços de saúde estão sobrecarregados. Além disso, as necessidades específicas das mulheres profissionais de saúde são frequentemente negligenciadas.

Violência  - Outra alerta do órgão: o risco de violência tende a aumentar quando famílias em contextos de violência familiar são colocadas sob tensão, isolamento e quarentena. Já existem relatórios de algumas comunidades indicando que a covid-19 está conduzindo situações semelhantes.

“A ONU Mulheres está trabalhando com parcerias para garantir que o impacto de gênero da COVID-19 seja levado em consideração nas estratégias de resposta nos níveis nacional, regional e global”, disse diretora de Políticas, Programas e Divisão Intergovernamental da organização, Sarah Hendriks.

Fonte: RBA

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home