Programa dos Engenheiros de SP propicia habitação social e gera empregos

• 28/10/2019 - segunda-feira

Entre as várias iniciativas do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (Seesp) está o Programa de Moradia Econômica (Promore). Pensado e coordenado pela entidade, o Projeto já construiu mais de 10 mil casas no Estado, sempre em parceria com as Prefeituras.

Murilo Pinheiro, presidente do Seesp, fala com entusiasmo da iniciativa. Ele diz: “Criamos uma opção de moradia pra pessoas de baixa renda. A obra é sempre erguida em terreno legalizado, tudo aprovado pela Prefeitura. A execução do Promore requer a participação de um engenheiro e ocupa também um profissional recém-formado. Portanto, também é geradora de trabalho e renda”.


 Projeto já construiu mais de 10 mil casas no Estado de São Paulo

O Programa segue um padrão técnico, o que facilita sua realização, em todas as fases. Murilo Pinheiro frisa que as obras do Promore, dado seu caráter social, são isentas de impostos municipais. O suporte dado pelo Sindicato evita despesas ao engenheiro que vai atuar diretamente nas fases do Programa.

Suporte - Lançado em Bauru (SP), há mais de 30 anos, o Promore se estendeu para outras cidades em que a entidade conta com subsedes, como Campinas, Rio Claro, Piracicaba e Ribeirão Preto. Em todas existem atendimentos nas delegacias sindicais. A equipe do Promore é formada por sete engenheiros e sete arquitetos, divididos em 12 regiões.

O beneficiário deve ter renda familiar até cinco salários mínimos, possuir terreno, morar na cidade há mais de um ano e não ser dono de outro imóvel no município. A construção limita-se à área de até 70 metros quadrados. Nas reformas, pode haver acréscimo de até 30m2.  

Carlos Augusto Ramos Kirchner, é o diretor-responsável pelo Promore. Mas informações, com Kirchner, ligue (11) 3113.2600.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home