• 6/9/2019 - Pimenta nos olhos dos outros é refresco mas só para quem observa - Oswaldo Augusto de Barros

• 13/8/2019 - terça-feira


Oswaldo Augusto de Barros 
é professor, presidente da CNTEEC
(Confederação Nacional dos Trabalhadores
em Estabelecimentos de Educação e Cultura)
e coordenador do FST (Fórum Sindical
dos Trabalhadores). 
E-mail: 
barros2002@terra.com.br

Vivemos um dos piores tempos de toda a vida econômica e social do Brasil e poucas são as chance de encontrarmos um caminho que não seja de traumatismo ou muita dificuldade para trabalhador brasileiro.

Um início de governo é sempre o período que novas esperanças se renovam, pois entendemos que essa esperança traz um novo alento às expectativas gerais e, para o povo, surgem momentos de buscar certeza de um futuro melhor.

O tempo passa e quando começamos a ver a popularidade do chefe do governo cair, as preocupações aumentam, entretanto, há uma forte esperança de que seus assessores sejam mais competentes e busquem artifícios e luz às dificuldades existentes.

Ao ler o Twitter do senhor Rogério Marinho, Secretário Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia: ”É cada vez menor o número de pessoas com carteira assinada de maneira tradicional no país. Temos um número muito grande de trabalhadores por conta própria, MEIs, autônomos, motoristas de aplicativo, empreendedores individuais e essas é uma tendência do mundo inteiro.” Passamos a entender que chegamos ao fundo do poço.

Como a autoridade que diretamente responde pelo extinto Ministério do Trabalho e Ministério da Previdência Social, pode afirmar que o futuro para o trabalhador brasileiro são as plataformas de trabalho, sem qualquer proteção social, sem qualquer garantia, sem qualquer direito.

Senhor Marinho, no mundo ao que o senhor se refere, esse trabalho é exercido por “estrangeiros”, normalmente incapacitados para outros trabalhos, imigrantes em busca de documentação oficial ou apenas ilegais. 

É triste que uma autoridade, venha a público dizer a seus compatriotas que esse será o futuro de suas vidas. 

Uma visão catastrófica do que os espera no mundo do trabalho.

Senhor Secretário,  é esse o futuro que espera para seus filhos e netos? 

Ou esse recado é apenas para justificar a incompetência daqueles que prometeram acabar com o desemprego por meio  da Reforma Trabalhista? 

Será que não é hora do Governo ter uma visão brasileira dos problemas vividos por brasileiros e ao invés de “reformar” passarmos a construir um futuro decente e promissor para o povo que o senhor um dia representou e hoje no alto do cargo que lhe foi entregue, continua na constância da precarização laboral?

Olhe nos olhos apimentados de seus descendentes e imagine melhor o sofrimento que estará causando.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home