Pague contribuições atrasadas ao INSS para ter aposentadoria

• 2/9/2019 - segunda-feira

O jornal Agora SP mostra como o segurado faz para quitar os débitos e conseguir o benefício antes da reforma

Com a reforma da Previdência cada vez mais perto de entrar em vigor, segurados buscam meios de aumentar o tempo de contribuição para se aposentar com regras mais brandas. 

Pagar contribuições atrasadas pode melhorar o cálculo do trabalhador, mas é preciso ficar atento para não perder dinheiro. 

De acordo com a advogada Adriane Bramante, do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), quitar os atrasados pode ser interessante para entrar na regra atual e fugir da reforma da Previdência, que mudará principalmente o cálculo dos benefícios do INSS. 

"É importante ressaltar que só pode pagar atrasado se comprovar exercício de atividade remunerada. Não é aconselhável o segurado sair pagando os atrasados sem que o INSS tenha analisado e autorizado o pagamento. Se fizer o pagamento sem essa prova, corre o risco de perder o dinheiro que pagou", diz. 

As contribuições pendentes só serão consideradas para o cálculo da aposentadoria quando estiverem quitadas. Por isso, o segurado deve verificar se pode arcar com a dívida à vista ou ao menos em poucos meses, e se compensa pagá-la. Quem vai acertar as contas com o INSS deve se preparar para multa e juros. 

A advogada Yannaê Seniuk, do Ingrácio Advocacia, orienta calcular quanto tempo vai levar para recuperar o valor que foi investido, considerando a renda da futura aposentadoria. 

O cálculo da dívida de até cinco anos pode ser feito pelo site da Receita Federal, já o de dívidas mais antigas só é possível nas agências do INSS. É bom lembrar que a Receita Federal terá informações sobre os pagamentos. "O Imposto de Renda do período deve ser compatível com o valor que será pago em atraso", diz Yannaê. 

Contribuições em atraso | Saiba como quitar

- Pagar as contribuições pendentes ao INSS garante mais tempo de contribuição ao segurado

- Os novos pagamentos ajudam a melhorar a média salarial e o cálculo da aposentadoria

- Mas é preciso ficar atento às regras de pagamento para não perder dinheiro 

ENTENDA O QUE FAZER

Veja os passos para saber se está devendo, quanto deve e como realizar o pagamento 

- Consulte o seu Cnis (extrato previdenciário)

- Solicite o extrato pelo site https://meu.inss.gov.br ou em uma agência do INSS

- Por meio dele é possível verificar todos os vínculos trabalhistas e previdenciários 

QUEM PODE PAGAR AS CONTRIBUIÇÕES EM ATRASO 

Autônomo (contribuinte individual)

- Pode calcular contribuições em atraso pelo site do INSS a partir do primeiro recolhimento em dia nesta categoria ou a partir do cadastro da atividade na Previdência Social

- O atraso não pode ultrapassar os últimos cinco anos 

Atenção!

- Se o trabalhador não tiver cadastro no INSS, precisará comprovar o exercício de atividade remunerada como autônomo no período em que não fez as contribuições

- O INSS só vai considerar as contribuições depois de analisar e aprovar a documentação que prova que o segurado exerceu a atividade 

Documentos que podem comprovar a atividade profissional: 

- Comprovante do Imposto de Renda

- Contrato social ou de pessoa física

- Inscrição de profissão na prefeitura

- Recibos e notas fiscais

- Microfichas de recolhimentos constantes no banco de dados do INSS 

Donas de casa e estudantes (contribuinte facultativo) 

- Quem contribui como facultativo e deixa de recolher só pode pagar os valores em aberto se a guia não estiver atrasada há mais de seis meses

- Se a contribuição tem mais de seis meses de atraso, o segurado precisa comprovar o exercício de alguma atividade profissional 

Como fazer o pagamento 

- Se o atraso for menor do que cinco anos, basta fazer o cálculo pelo site http://sal.receita.fazenda.gov.br/

- Neste caso, o trabalhador consegue emitir as guias e pagar os recolhimentos atrasados

- É possível escolher o valor que deseja recolher (pelo salário mínimo ou pelo teto, por exemplo) 

Multa e juros 

Para quem tem dívidas de até cinco anos 

- O segurado que vai acertar as contas com o INSS precisa estar preparado para pagar multa e juros

- O cálculo leva em conta a correção pela taxa básica de juros (Selic), além de multa proporcional ao período das contribuições atrasadas em até cinco anos

- O cálculo pode ser feito no site da Receita Federal, em http://sal.receita.fazenda.gov.br/ 

Para quem deve INSS por mais tempo 

- No caso dos recolhimentos pendentes há mais de cinco anos, o valor pago será de 20% da média das 80% maiores contribuições desde julho de 1994

- Depois, será acrescida multa de 10%, além de 0,5% de juros ao mês até o máximo de 50% sobre o total

- Se você quer pagar INSS em atraso para um período anterior a 14/10/1996, o INSS não poderia te cobrar juros nem multa. 

COMO APROVEITAR O TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO E SE APOSENTAR ANTES DA REFORMA 

- Quite períodos curtos de atraso

- Pequenas contribuições podem antecipar a aposentadoria ou afastar a incidência do fator previdenciário 

Pague o débito à vista

- O tempo de contribuição só será considerado quando a Receita Federal confirmar o pagamento, por isso a recomendação é quitar o valor total para já usar o tempo no pedido de aposentadoria 

Analise o débito com cautela 

- Quanto mais antiga a dívida, maior será o valor de juros e correções, além da dificuldade de o INSS aceitar

- Para saber se compensa quitar o débito, calcule quanto tempo vai demorar para recuperar o valor gasto, usando a renda da futura aposentadoria 

Parcelamento da dívida 

- Os segurados podem parcelar o débito com o INSS em até 60 meses

Para efetivar o parcelamento, é necessário procurar a Receita Federal

- A contribuição só será considerada para o cálculo da aposentadoria quando a parcela for confirmada como paga pela Receita Federal 

Fontes: INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), Receita Federal e advogados Yannaê Seniuk, Rômulo Saraiva e João Badari 

(Fonte: Agora SP)

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home