Greve Geral paralisa várias cidades do País

• 14/6/2019 - sexta-feira

Todas as capitais do País tiveram atos que marcaram a manhã dessa sexta (14). Durante a tarde outras manifestações se multiplicam. Acompanhe:

Paraná - Em Curitiba, boa parte dos ônibus urbanos não saiu das garagens pela manhã o que, somado ao bloqueio de diversas estradas, como a BR-277, a BR-476 e o Contorno Sul, gerou grandes congestionamentos. Boa parte das agências bancárias parou. Servidores Públicos Municipais e Estaduais, Professores, Policiais e Bombeiros, além de estudantes e trabalhadores de outras categorias, reuniram-se em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, para protestar.

O Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba fez carreata, que percorreu trechos próximos às fábricas CNH, Bosch e Volvo, todas na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), além da Volkswagen e Renault, em São José dos Pinhais.

Em Araucária, cerca de mil pessoas bloquearam a Rodovia do Xisto em adesão à Greve. Londrina teve boa parte do transporte público paralisado na parte da manhã.

Santa Catarina – Em Florianópolis, trabalhadores da Educação, Transportes e Saúde aderiram à Greve Geral. Na Capital, com a greve dos servidores municipais, deflagrada na quarta (12), escolas públicas, creches, núcleos infantis, UPAs e demais serviços da prefeitura não funcionam, assim como a coleta de lixo e limpeza de rua.

Na Grande Florianópolis, todo o transporte público e alternativo esteve totalmente paralisado e cerca de 14 mil alunos não compareceram às aulas. Em todo o Estado há universidades e escolas paradas, assim como piquetes em estradas e dezenas de cidades de grande e médio porte como Blumenau, Criciúma, Tubarão, Joinville, Blumenau, Jaraguá do Sul, Joaçaba, Concórdia, Dionísio Cerqueira, Chapecó e Curitibanos, onde o trevo da BR-470 e 116 foi interditado pelos manifestantes. Em Chapecó, a concentração da Greve Geral ocorre em frente à BRF.

Rio Grande do Sul - Em Porto Alegre, houve bloqueio nas garagens das empresas de ônibus, mas com a repressão policial os coletivos circularam normalmente a partir das 6h30. O metrô parou totalmente, mas voltou a circular com intervalo maior que o normal. Na região metropolitana, os ônibus que atendem Sapucaia do Sul e Esteio circularam com atrasos.

No Estado, aconteceram atos em cerca de 150 cidades, especialmente Caxias do Sul, Erechim, Pelotas, Rio Grande, Santa Rosa e Santo Ângelo. Na Capital, a concentração começou a partir das 17 horas na Esquina Democrática.

Nas estradas, houve pelo menos 15 pontos com bloqueios e manifestações em rodovias federais e estaduais. Em todo o Estado, 97 escolas foram afetadas pela Greve, sendo 64 com paralisação total e 33 parcial. Em Porto Alegre, foram 24 fechadas e 17 funcionaram parcialmente. Também na Capital, das 140 unidades básicas de Saúde, pelo menos 18 foram fechadas. A repressão implicou nas 75 prisões de manifestantes.
 
Rio de Janeiro – Ato realizado pela manhã na Rodoviária Novo Rio, na capital carioca foi reprimido pela PM, que lançou bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Concentração na Candelária reúne milhares de pessoas. Houve bloqueios na avenida Brasil. Bancos apoiaram a Greve. Refinaria de Duque de Caxias paralisou. Bancários de Macaé fecham sedes bancárias.

Brasília - Ônibus e BRT não circularam pela manhã. UnB não teve aulas.

Bahia - Em Salvador, ônibus e trens funcionaram normalmente. Força Nacional permaneceu nas plataformas para garantir movimentação.

Amapá - Bancos de Macapá aderiram à Greve Geral.

Minas Gerais - Em Belo Horizonte as estações metroviárias fecharam pela manhã. Protestos se espalharam por rodovias de Betim, Congonhas, Mariana e Ouro Preto. Concentração na Capital começou às 13 horas., na Praça Afonso Arinos.

Alagoas - No início da manhã ônibus paralisaram por duas horas na Capital. Em Arapiraca o comércio fechou as portas.

Pernambuco - Ato em Petrolina reúne multidão na praça Bambuzinho. Caruaru também aderiu à Greve.
Sergipe - Em Cristinápolis, manifestantes bloqueiam a BR 101.

Pará - Milhares de manifestantes fazem protesto pela avenida presidente Vargas, centro de Belém. Os torcedores do clube de futebol Remo utilizaram uma faixa escrita: “Resistência cabana”. Torcedores do Paysandu estavam com uma faixa que dizia: “Bicolores em defesa da educação, do trabalho e da aposentadoria”.

Goiás - Em Goiânia, manifestação começou às 14horas, no centro da capital. Manifestações em Quirinópolis, Silvânia e Anápolis.


Manifestantes saíram às ruas em Juazeiro do Norte (CE)

Ceará - Juazeiro do Norte mobilizou milhares de manifestantes contra a reforma da Previdência e os cortes na Educação.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home